[ Prometheus Fecit: terra, água, mão e fogo ]

(Porto - Portugal)
abertura: 2 de outubro de 2014, 18h
até: 14 de dezembro de 2014

Os processos de residências artísticas, na era do contemporâneo, propiciam a reconquista da experiência em que a permanência e a duração são incentivos pretendidos. Numa época em que as tarefas, desempenhos e situações se concatenam (quase sem intervalos de pensamento), na exigência de respostas quase imediatas, demora e decorrência são privilégios para os artistas e demais operadores culturais.

Em 2014, reuniu-se um grupo de artistas brasileiros e portugueses (Albuquerque Mendes, Beatriz Sanchez Horta Correia, Bela Silva, Catarina Branco, Carolina Paz, Estela Sokol, Fábio Carvalho, Gabriela Machado, Graça Pereira Coutinho, Isaque Pinheiro, Jorge Abade, Luis Nobre, Maria Pia Oliveira, Sofia Castro e Susana Maria Clemente Piteira), procedendo de diferentes contextos e formações, “chegados” de viagens transatlânticas ou deslocando-se de cidades portuguesas. Tal confluência proporcionou contextos inesperados de experiência e pensamento; promoveu diálogos e confrontos; impulsionou novas articulações poéticas e conceituais. Associou-se técnica e criatividade, refletindo intencionalidades e decisões diferentes, por parte dos artistas e dos outros protagonistas que os visitaram durante as estadias.

"Em pele de cordeiro" - Fábio Carvalho
aprox. 1.000 peças de faiança vidrada | 2,0 x 1,6 m
foto: Maria de Fátima Lambert

As obras realizadas durante a residência – numa profusão que ultrapassou qualquer expectativa – apresentam-se, agora, na exposição coletiva patente no Museu Nacional Soares dos Reis (Porto, Portugal).

Albuquerque Mendes (obras diversas)
faiança vidrada | dimensões variáveis
foto: Maria de Fátima Lambert

Numa geografia onde a água e a terra propiciaram – desde tempo e memórias longínquos – a dimensão alquímica da cerâmica, o desenvolvimento das residências dos 15 artistas brasileiros e portugueses adquiriu consistência e interesse acrescidos, prevendo-se que futuramente “alastre”.

Maria de Fátima Lambert
Curadora da Exposição


Sofia Castro
faiança vidrada | dimensões variáveis
foto: Maria de Fátima Lambert

Graça Pereira Coutinho
faiança vidrada | dimensões variáveis
foto: Maria de Fátima Lambert

Serviço:
exposição "Prometheus Fecit"
abertura 2 de outubro, 18h
até 14 de dezembro 2014
artistas: Albuquerque Mendes, Beatriz Sanchez Horta Correia, Bela Silva, Catarina Branco, Carolina Paz, Estela Sokol, Fábio Carvalho, Gabriela Machado, Graça Pereira Coutinho, Isaque Pinheiro, Jorge Abade, Luis Nobre, Maria Pia Oliveira, Sofia Castro e Susana Maria Clemente Piteira
curadoria: Maria de Fátima Lambert
Museu Nacional de Soares dos Reis
rua D. Manuel II, 44, 4050 - 342, Porto, Portugal
horários: 3ª 14h - 18h | 4ª a Dom 10h - 18h

[ Fábio Carvalho em exposição no Museu Nacional Soares dos Reis, Porto, Portugal ]

O artista carioca Fábio Carvalho participa com duas obras inéditas em cerâmica, a partir de 2 de outubro, na exposição coletiva “Prometheus Fecit” no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, Portugal, um dos mais importantes daquele país.


Em Pele de Cordeiro, detalhe
As duas obras de Fábio Carvalho ("Em Pele de Cordeiro" e "Gêmeos") são resultado da residência artística realizada em junho passado na Cerâmica PP&A São Bernardo, em Alcobaça. Portugal. Esta foi a quinta residência artística de Fábio Carvalho em terras lusas. O projeto tem curadoria de Maria de Fátima Lambert (Portugal), e conta com um total de 15 artistas brasileiros e portugueses, entre estes Albuquerque Mendes, Catarina Branco, Carolina Paz, Estela Sokol, Fábio Carvalho, Gabriela Machado, Isaque Pinheiro e Sofia Castro. 

Cerâmica PP&A São Bernardo tem tradição na colaboração com renomados artistas internacionais, como Gerald Gulotta, Jasper Conran, James Packer, John Rochas, Arnold Zimmerman, Nancy Smith, entre outros.


Em Pele de Cordeiro

Na obra Em Pele de Cordeiro Fábio Carvalho criou um mosaico com mais de 1.200 borboletas e flores moldadas uma a uma à mão pelo próprio artista, vidradas em 6 cores diferentes, que juntas formam o desenho de um soldado em tamanho natural, vestindo um uniforme militar camuflado segurando um fuzil. O soldado em mosaico encontra-se "deitado" sobre uma superfície de 60 cm de altura (aproximadamente a altura de uma cama). As borboletas e flores não estão coladas na superfície, acentuando o caráter frágil das pequenas peças, e reforçando a ideia de efemeridade da obra, de que tudo aquilo pode se desfazer a qualquer instante.



Gêmeos

Já a obra Gêmeos apresenta-nos 4 touros vermelhos e brilhantes de tamanho médio (45 x 35 x 30 cm), sendo que dois touros são exatamente como costumam ser produzidos na fábrica (exceto pela cor), e dois touros resultam de uma colagem com acréscimo de diversos ornamentos, alguns buscados de outras peças da fábrica, e outros criados originalmente pelo artista. 

O touro, símbolo tradicional de virilidade, força e impetuosidade, parece agora adocicado pelos ornamentos agregados. Mas isto não quer dizer que não seja mais viril.

Como em toda a produção atual de Fábio Carvalho, o artista procura questionar o senso comum de que força e fragilidade, virilidade e poesia, masculinidade e vulnerabilidade não podem coexistir, propondo uma discussão sobre estereótipos de gêneros.


Serviço:
exposição "Prometheus Fecit"
abertura 2 de outubro, 18h
até 14 de dezembro 2014
artistas: Albuquerque Mendes, Beatriz Sanchez Horta Correia, Bela Silva, Catarina Branco, Carolina Paz, Estela Sokol, Fábio Carvalho, Gabriela Machado, Graça Pereira Coutinho, Isaque Pinheiro, Jorge Abade, Luis Nobre, Maria Pia Oliveira, Sofia Castro e Susana Maria Clemente Piteira
curadoria: Maria de Fátima Lambert
Museu Nacional de Soares dos Reis
rua D. Manuel II, 44, 4050 - 342, Porto, Portugal
horários: 3ª 14h - 18h | 4ª a Dom 10h - 18h

[ Cerâmica! ]

(Rio de Janeiro)

abertura: 19/9/2014
até: 30/11/2014


CERÂMICA!

A exposição que abre na Galeria Meninos de Luz este mês traz para a comunidade o trabalho de artistas envolvidos com a cerâmica e suas várias particularidades. São obras que vão desde a manufatura própria do artista até a apropriação de peças prontas e retrabalhadas. 

Cris Cabus

A mostra reúne utilitários de design elaborado, mas tem seu foco na construção poética visual que abre novas perspectivas de entendimento dessa técnica para além da mera formalização tradicional e alcançando patamares de verdadeiras obras de arte.

Sylvia Goyanna

Outra atividade já consagrada em exposições anteriores na galeria será a oficina ministrada por artistas aos alunos do Solar, mas com a novidade de que dessa vez os alunos serão levados ao ateliê de cerâmica para conhecerem de perto como tudo funciona e também lá executarem trabalhos de cerâmica artística.

Jesse Emidio

A pluralidade de meios é o foco que se busca a cada nova exposição realizada na galeria que já recebeu grafiteiros, gravuristas, fotógrafos, poetas visuais, pintores e agora ceramistas, e sempre com o viés de que artistas estivessem envolvidos com essas práticas dedicando olhar mais atento às questões relevantes que norteiam o fazer artístico.

Osvaldo Carvalho
curador

Fábio Carvalho

serviço:
Cerâmica! 
exposição de Cris Cabus, Denize Torbes, Fábio Carvalho, Guilherme Toledo, Jesse Emidio, Rosita Rocha e Sylvia Goyanna.
curadoria Osvaldo Carvalho
ABERTURA: 19/09 - sexta feira - 16:30h
GALERIA MENINOS DE LUZ
Rua Saint Roman, 149 - Copacabana

[ Dez ao Cubo - Juntos e Misturados ]

(Porto Alegre)
abertura: 18/10/2014 - sábado - 20h
até: 14/11/2014

O novo encontro dos artistas que integram o grupo Dez ao Cubo se dá pela primeira vez trazendo convidados que aderiram ao conceito de se questionar a originalidade criativa pela apropriação do hexaedro regular comumente conhecido como cubo. 


Semelhante a todo grande movimento, a reunião dos artistas surgiu de uma controvérsia sobre a autenticidade de faturas, ou melhor, quem foi o primeiro a “pensar” o cubo? E o que parecia apenas uma questão dialética de menor monta, indissolúvel mesmo, acabou por encontrar quem se propusesse a ser “herdeiro” único do referido poliedro regular. A reivindicação de posse de algo hoje tão arraigado ao DNA humano pareceu um despropósito inconcebível de tal ordem que impulsionou dez artistas a se juntarem na causa de se manifestarem através das infinitas possibilidades de se examinar, externar e explicitar a configuração cúbica.

aspectos da primeira exposição Dez ao Cubo, no Estúdio Dezenove

Os ecos dessas indagações vieram com uma mostra que mais que buscar teorias desafiou-as, mais que criar conceitos tornou-os obsoletos diante da precária afirmação de uma identidade única para a forma. Sim, o projeto desmistificador engendrado pelo grupo que se intitulou Dez ao Cubo foi mais além do que a mera aparência de uma ocupação de resistência, foi a própria reação contra a inércia da mentalidade contemporânea tacanha que se julga proprietária de uma visualidade única e erudita.

Ilcio Arvellos Lopes

Em sua terceira mostra em 2014, com exposições internacionais agendadas para 2015, Dez ao Cubo se apresenta junto e misturado a outros artistas os quais agrega sem distinção entendendo o caráter difusor de suas ideias, a urgência de exaurir a caretice visual, de reconciliar o efêmero às nossas necessidades, de embriagar a arte de humanidade.

Fábio Carvalho

Os artistas originais do grupo são Roberto Tavares, Ilcio Arvellos Lopes, Maria Cherman, Petrillo, Paulo Mendes Faria, Ricardo Pimenta, Fernando Borges, Luiz Carlos de Carvalho, Rafael Vicente e Osvaldo Carvalho. Os cinco artistas convidados a integrar esta edição da exposição Dez ao Cubo são Fábio Carvalho, Marco Antonio Portela, Marcio Zardo, Helcio Barros e Paulo Della Niña.

Luiz Carlos de Carvalho‎

serviço:
exposição Dez ao Cubo - Juntos e Misturados
Artefato Galeria
rua Protásio Alves, 1893, Porto Alegre, RS
abertura: 18/10/2014 - 20h - sábado
até: 14/11/2014

[ Fábio Carvalho acaba de retornar de Portugal, onde participou de nova residência artística ]


Depois de Caldas da Rainha (Faianças Bordallo Pinheiro, 2011), Porto (Maus Hábitos, 2012), Vista Alegre (Porcelana Vista Alegre, 2013) e Ílhavo (Oficina da Formiga, 2013), Fábio Carvalho acaba de retornar de sua quinta residência artística em Portugal.

Esta foi a quarta residência artística de Fábio Carvalho com cerâmica, que aconteceu na São Bernardo Ceramics, fundada em Alcobaça nos anos 1980 pelo arquiteto Manuel da Bernarda, cuja família está envolvida na industria da cerâmica desde 1875. Alcobaça é uma cidade onde a tradição da produção cerâmica remonta ao século XII.

O projeto e a curadoria da residência artística são de Maria de Fátima Lambert, curadora residente no Porto, Portugal, atuante em todo aquele país e no exterior, incluindo o Brasil. Além de Fábio Carvalho mais 3 artistas brasileiros e 12 portugueses fizeram parte da residência artística. As obras em cerâmica produzidas serão expostas em outubro no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, Portugal. A São Bernardo Ceramics tem tradição na colaboração com renomados artistas internacionais, como Gerald Gulotta, Jasper Conran, James Packer, John Rochas, Arnold Zimmerman, Nancy Smith, entre outros.
Na residência, Fábio Carvalho produziu dois novos trabalhos: Em Pele de Cordeiro, uma obra de grandes dimensões (2,0 x 1,5 m) , composta por quase 1300 pequenas peças (borboletas e flores), ampliando os limites da sua recente experiência em cerâmica, e Gêmeos, obra composta por 4 peças de tamanho médio.


Na obra Em Pele de Cordeiro o artista criou um mosaico com aproximadamente 670 borboletas e 620 flores moldadas totalmente à mão pelo artista, e vidradas em 6 diferentes cores, que juntas formam o desenho de um soldado em tamanho natural com uniforme militar camuflado segurando um fuzil. O soldado em mosaico estará "deitado" sobre uma superfície de 60 cm de altura, aproximadamente a altura de uma cama. As borboletas e flores não estarão coladas na superfície, acentuando o caráter frágil das pequenas peças, e reforçando a ideia de que tudo aquilo pode se desfazer a qualquer instante.

Em Pele de Cordeiro, projeto

Como sugere o título da obra, Em Pele de Cordeiro, as borboletas e flores seduzem o olhar com sua delicadeza e fragilidade, talvez fazendo-nos até esquecer que elas fazem parte de uma imagem que representa, em particular tendo em foco a história recente brasileira, violência e repressão. Estamos portanto diante de um dilema provocado por um discurso contraditório, dúbio, e cabe a cada um tomar a sua posição frente a este dilema.

Em Pele de Cordeiro, detalhe

[ Arte Pará 2014 - inscrições abertas ]

(Nacional)
até 11/9/2014

Artistas de todo o Brasil e estrangeiros, legalmente residentes no país, já podem inscrever-se para a 33° edição do Arte Pará. Em 2014, a novidade é que os candidatos terão à disposição categorias mais específicas para as obras. O objetivo é facilitar o processo de inscrição, além de promover um julgamento mais exclusivo do conteúdo artístico.

As inscrições são gratuitas e estarão abertas, de 15 de julho a 11 de setembro, no site da Fundação Romulo Maiorana (www.frmaiorana.org.br), no domínio (www.artepara.net), por Correio ou, pessoalmente, na sede da FRM (Av. Romulo Maiorana, 2473, Marco), das 10 às 18 horas. Aqueles que encaminharem o dossiê por Correio deverão considerar o prazo de entrega dos documentos que precisa chegar até dois dias antes do julgamento.

Para concorrer, o artista deverá encaminhar a ficha acompanhada do dossiê, em formato máximo de 21×33 cm (tamanho oficio). Nele, deverão estar contidos: currículo resumido, fotos e imagens impressas de três trabalhos ou projetos/maquetes eletrônicas a serem apresentados. Serão aceitas apenas inscrições cujas obras sejam inéditas em salões e exposições de arte. E, cada artista terá direito a uma inscrição individual; podendo, ainda, participar em projeto coletivo.

Os candidatos deverão inscrever, obrigatoriamente, três trabalhos, em uma única categoria. A comissão de seleção determinará quais obras participarão da mostra; sendo dípticos, trípticos e polípticos considerados obras únicas.

O julgamento dos trabalhos será realizado em uma única etapa, nos dias 13, 14 e 15 de setembro. O resultado será publicado nos jornais O Liberal e Amazônia, no site da Fundação e no facebook do Arte Pará, no dia 16 de setembro. Caso seja selecionado, o artista compromete-se a participar de todo o processo educativo, que inclui seminários e conversas aproximadas com os mediadores e o público.

PREMIAÇÃO

Este ano, o Arte Pará concederá o total de R$50.000,00 em premiação, divididos da seguinte forma: R$10.000,00, para cada um dos três primeiros colocados e ajuda de custo no valor de R$1.000,00 para todos os 20 artistas selecionados na mostra. O auxílio será destinado para custear a produção do trabalho selecionado e/ou despesas referentes à participação do artista no evento.

Serviço
Inscrições: 15 de julho a 11 de setembro de 2014
Seleção: 13, 14 e 15 de setembro de 2014
Resultado da Seleção: 16 de setembro de 2014
Abertura da Mostra: 09 de outubro de 2014
Encerramento: 09 de dezembro de 2014

[ Fábio Carvalho participa da exposição coletiva "Papel de Seda" - RJ ]

(Rio de Janeiro)
abertura: 25/05/2014, 18:30 h
até: 30/08/2014

Fábio Carvalho participa da exposição coletiva "Papel de Seda", que reúne artistas brasileiros e italianos no IPN Museu Memorial, na rua Pedro Ernesto, 32/34, Rio de Janeiro. A exposição abre no dia 25/6, quarta, 18h30, e tem curadoria de Marco Antonio Teobaldo.



A proposta da mostra é reunir um grupo de artistas para realizarem suas obras sobre um mesmo suporte: o papel de seda. A delicadeza do papel de seda será transformada em obras site specific para a Galeria Pretos Novos. Inicialmente se pensou em apresentar as obras coladas diretamente sobre as paredes da galeria, reiterando o caráter frágil e efêmero da matéria. Mas surgiram propostas que extrapolaram a bidimensionalidade e o emprego deste material.

Dentro do contexto histórico em que se apresenta a galeria, localizada sobre o mais importante sítio arqueológico da rota dos escravos no Brasil, o Cemitério dos Pretos Novos, a fragilidade da estrutura dos materiais utilizados e a sobreposição das camadas de papel se integrarão a estrutura arquitetônica do espaço.

"Parada Monarca", de Fábio Carvalho.

Para esta exposição Fábio Carvalho desenvolveu um trabalho inédito, chamado "Parada Monarca", que se constitui de bandeirinhas de papel seda branco com impressões em tinta acrílica, através do uso de carimbos de borracha produzidos à mão pelo próprio artista, a partir de um desenho original de sua autoria de um soldado em uniforme camuflado, com asas de borboleta saindo de suas costas. O "Monarca" do título é uma referência à borboleta monarca (Danaus plexippus) recorrente em trabalhos de Fábio Carvalho.

As "bandeirinhas" serão penduradas da maneira tradicional das festas juninas, porém em fileiras sucessivas, formando uma grande matriz de soldados, com dimensões totais de de 1,60 m de altura por 1,40 m de largura.

O título da obra, "Parada Monarca", é alusivo à formação que os soldados ficarão na parede, tal qual a formação de um desfile (parada) militar, e também um jogo de palavras com a impossibilide destes soldados ficarem realmente parados, ordeiros, como se espera de um militar, pois devido à leveza do material, qualquer deslocamento de ar os fará "voar", tornando o trabalho altamente cinético e ruidoso, numa homenagem explícita às "Superfícies Farfalhantes" de Aluisio Carvão, criadas nos anos 1960, com as quais quebrou a rigidez do movimento Concreto.

Carimbos de Fábio Carvalho em arte da logomarca da exposição
criada pela designer Adriane Amato.

Os artistas participantes da mostra são os brasileiros Eduardo Denne, Fabio Birita, Fábio Carvalho, Noises Patrício, Ozi, e os italianos Mr. Klevra e Omino71.

[ Leonilson: Verdades e Mentiras ]

(São Paulo)
abertura: 22 de julho, 19h - 22h
até: 30 de agosto


Trabalhos dos últimos anos de vida de Leonilson são tema de exposição na Galeria Superfície


A exposição foca a produção dos 10 últimos anos de vida do artista José Leonilson Bezerra Dias (1957-1993), conhecido apenas como Leonilson. Intitulada “Leonilson: Verdades e Mentiras”, a mostra, que conta com texto e curadoria da artista Leda Catunda, amiga pessoal do artista, reúne obras de diferentes formatos, como desenhos, pinturas, aquarelas e esculturas. São obras garimpadas em coleções particulares, entre elas, algumas nunca exibidas ao público.

A produção de Leonilson é um verdadeiro arquivo sobre sua vida, uma incansável busca de intensidade poética individual, onde a obra é o suporte e registro. Os últimos anos de sua vida foram marcados por um sentido de vulnerabilidade humana e na possibilidade de transcendência. A AIDS mudou o rumo da sua vida e marcou sua produção artística, conferindo-lhe uma terminologia final e irredutível.

O despojamento e a simplicidade característicos de sua obra, particulamente aos desenhos desse período, são tensionados pela morte anunciada e pela busca de sentido para a travessia da vida para o estado espiritual.

Serviço:
Leonilson: Verdades e Mentiras
Curadoria de Leda Catunda
abertura: 22 de julho, terça feira, das 19h às 22h
até 30 de agosto

[ Fabulário ]

(Niterói)
abertura: 12/07/2014, 11h
até: 24/08/2014 


Fabulário de Osvaldo Carvalho no MAC-Niterói
Com apoio de Eixo ArteContemporânea.
Curadoria de Mariana Bretas.

Fabulário é a mais nova série de pinturas apresentadas por Osvaldo Carvalho no MAC de Niterói. O artista apresenta 10 telas de grandes formatos em que fala de algo que parece inofensivo, porém, de fato, é uma exposição em que o espectador é convidado a refletir sobre o caráter universal do emaranhado de situações que permeiam nossas vidas, hora de forma feliz, harmoniosa e limpa, hora com uma obscuridade que lutamos para mantê-la longe dos olhos, por vergonha ou por ignorância. As pinturas têm esse princípio em suas faturas, cada uma com seu ar ingênuo, mas à beira do precipício, reafirmando a complexidade da condição humana.


Abertura: 12 de julho de 2014. Sábado a partir das 11h.
Visitação: de 13 julho a 24 de agosto. Terça a domingo das 10 às 18h.
MAC – Niterói (varanda) 1º andar. Mirante da Boa Viagem, s/nº - Boa Viagem, Niterói - RJ
Informações: (21) 2620-2400.

[ obras de Fábio Carvalho na revista eletrônica Bibliothèque (Grécia) ]

Diversos trabalhos de Fábio Carvalho foram publicados juntos a um artigo e a um poema no site grego de filosofia e poesia Bibliothèque.


A revista eletrônica grega Bibliothèque (http://bibliotheque.gr), de filosofia e poesia, por duas ocasiões selecionou trabalhos de Fábio Carvalho para acompanhar como contraponto suas publicações. A primeira vez foi em outubro de 2013, quando sete de suas obras acompanharam o artigo "Οι Πρωτόγονες Ρίζες Του Πολέμου" (As Raízes Primitivas das Guerras), de Καίτης Βασιλάκου.


link: http://bibliotheque.gr/archives/29098
via Google translator: http://tinyurl.com/bibliotheque-fc1


Agora, hoje, a revista Bibliothèque volta a publicar obras de Fábio Carvalho em suas páginas, desta vez junto ao poema "Τρείς Έλληνες Αντάρτες" (Três Rebeldes Gregos), de Wolf Biermann.


link: http://bibliotheque.gr/archives/37542
via Google translator: http://tinyurl.com/bibliotheque-fc2

Nas palavras de Vassos Georgas, Editor Chefe da revista Bibliothèque, "Na obra única de Fábio Carvalho encontramos tamanha melancolia e uma mensagem muito pacífica sobre os seres humanos que desapareceram. As pessoas costumam esquecer muito facilmente os seus defeitos e no trabalho de Carvalho encontramos uma mensagem muito forte: quão bela é a vida na paz e na harmonia".